COM PROFESSORES EM GREVE ESTUDANTES OCUPAM ESCOLAS NO CEARÁ

            Com o Centro Esportivo de Parangaba lotado, os professores da Rede Estadual do Ceará aprovaram por unanimidade a continuidade da greve. A ocupação de várias escolas pelos estudantes, os encontros dos vários zonais de Fortaleza e a adesão de vários municípios do interior fortaleceram a disposição de luta dos professores.  

A GREVE CONTINUA!FASSEMBLÉIA DA GREVE

FOTO CAIC

        CASTELO BRANCO OCUPADO!                                                JOÃO MATTOS            

 

 ADAUTO OCUPADO

FOTO-CAIC 2         

  O grande desafio é dimensionar a natureza da crise do limite do moderno sistema fetichista patriarcal produtor de mercadorias e traçar uma estratégia que estabeleça uma mediação entre as questões imanentes e a luta transcendente ao sistema na perspectiva da ruptura com a sua lógica e a construção da emancipação humana. A divulgação da mensagem conjunta MDTS e CRÍTICA e a nossa intervenção se deram nesse sentido.

MENSAGEM AOS(ÀS) PROFESSORES E ESTUDANTES EM LUTA

             Se acreditaram que através da opressão, injustiça, crueldade e perversidade arrancariam de nós o amor que nos une há mais de 50 anos ao Hospital e Maternidade equivocaram-se totalmente. Pois, assim como acontece na Educação, o nosso amor virou uma inabalável, ampla, geral e desmedida paixão.

            Se apostaram que o desalento se instalaria nas nossas almas obtiveram o resultado inverso. Aumentou em nós a convicção da luta contra a tirania, a opressão e pela dignidade.

            Se pensavam que fugiríamos da batalha e a desesperança faria morada em nossos corações fracassaram. Porque adubamos a esperanç a de construir um futuro muito melhor do que o capitalismo.

            Se, para alguns, nosso gesto parecia inútil é porque ignoraram que nós não renunciamos ao sonho que acalentamos juntos.

            Se, para outros(as), nossa luta se perderia na madrugada é porque não perceberam que estamos construindo um outro mundo fraterno, humanamente diverso, solidário e livre.

            Se imaginaram que o cansaço iria imobilizar o nosso corpo andejo enganaram-se. Porque nos apoiamos na nossa força consciente e organizada.

            Se pretendiam nos retirar das ruas e praças acabaram nos incentivando a buscar uma nova manhã com milhões de seres humanos irmanados.

            Se usaram a regra do jogo do vale tudo, do cinismo, da traição, falsidade, engodo, ameaça, corrupção, descaso e demagogia surpreenderam-se. A nossa resposta foi coerência, ética, espírito elevado e determinação pela reflexão e a luta.

            Se queriam reduzir o papel mais destacado do Hospital e da Maternidade, assim como querem fazer com as escolas públicas, sofreram um duro revés. Porque nos impulsionaram a avançar na nossa causa e lutar destemidos para conquistarmos mais vitórias e continuarmos a cuidar da nossa gente humilde e oprimida.

            Se através de ações judiciais pretendiam intimidar integrantes da Justiça do Trabalho para que adotassem posições indignas perante as injustiças cometidas contra os trabalhadores decepcionaram-se. Pois, como aconteceu agora com a greve dos professores estaduais, há no âmbito da justiça magistrados que se posicionam para que os direitos dos trabalhadores(as) sejam respeitados aqui, no Brasil e no mundo.

            Se não respondem aos complexos desafios da crise do limite do sistema e querem, através de uma falsa polarização na luta pelo poder, nos manter sujeitados à sua lógica,  alegando que não existem caminhos traçados, nós voamos como águias em busca do sol e da liberdade! Afinal, a liberdade não se mendiga, se conquista!

            Por isso, o nosso tempo é o tempo da rebeldia!

            Pois escolhemos o futuro da emancipação com arte e alegria!

            Fortaleza, 04 de maio de 2016

            MDTS – Movimento em Defesa dos Trabalhadores da Saúde (UFC/SAMEAC)

            Crítica Radical

PARA ENTENDER O CASO

            Éramos 700 trabalhadores(as) do Hospital das Clínicas e Maternidade Escola da Universidade Federal do Ceará (UFC). Muitos com 30 anos de serviços prestados. Uma parte de nós já foi demitida. A outra resiste. Mas continua sob ameaça de demissão por parte do Governo Federal, da EBSERH, SAMEAC e da Reitoria da UFC. Para tentar quebrar a nossa resistência, cortaram salários, vales-transportes, vales-refeições, pediram a ilegalidade da greve e a proibição de entrarmos nas dependências da UFC. Estamos na expectativa de duas audiências importantes. Uma conjunta com Justiça Federal, Ministério Público Federal e Justiça do Trabalho. E outra, no dia 18 de maio, na Justiça do Trabalho. Através dessa mensagem queremos reafirmar o nosso compromisso de reflexão e luta. Uma luta que valeu e continuará a valer a pena.  Afinal, nossa alma nunca foi pequena. É com esse espírito que estamos lançando essa Mensagem aos(às) professores e estudantes, manifestando a nossa solidariedade à greve e ocupações e conclamando a transformarmos as escolas em espaços emancipatórios de reflexão, luta e implementação de um projeto de educação para a emancipação que contribua para rompermos com o sistema e construirmos uma vida plena de sentido.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *