ENCONTRO DEBATEU A RUPTURA COM BASE NA CRÍTICA RADICAL DA CRISE – SÁBADO, 01/08

 

FRENTE PANFLETO O CAPITALISMO DESABA O CAPITALISMO DESABA - POEMA

            

             No sábado passado, 01 de agosto,  realizamos o  ENCONTRO RESPOSTA PARA A CRISE no bloco do Curso de Arquitetura da Universidade Federal do Ceará. Com base no texto de Robert Kurz, CRISE E CRÍTICA – O LIMITE INTERNO DO CAPITAL E AS FASES DO DEFINHAMENTO DO MARXISMO (http://criticaradical.org/crise-e-izando critica-1a-parte/  http://criticaradical.org/crise-e-critica-2a-parte/)fizemos um rico debate sobre o significado da crítica radical da crise do ponto de vista teórico, caracterizando a crise atual como a crise do limite interno absoluto do sistema capitalista que enfrenta, portanto, um duplo limite: o interno e o externo (crise ecológica), a completa falta de possibilidades dentro da política para o enfrentamento do desabar desse sistema e a necessidade urgente da construção de um novo movimento social para a ruptura com base na crítica radical da crise e construção da emancipação humana.

             Fizemos uma reflexão sobre a descoberta de uma prospecção lógica a respeito do que seria a barreira histórica do sistema capitalista, lembrando que essa prospecção foi descoberta por nós em 1988, quando percebemos que ela captava o limite da subversão capitalista.

             Os acontecimentos em plano mundial a exemplo da Grécia, China e Brasil a nosso ver expressam que a realidade encostou no pensamento. A crise global, diante do limite interno absoluto da valorização do dinheiro, confirma os prognósticos da descoberta. Ela expõe também o limite dos movimentos sociais e partidos que permanecendo presos à imanência da forma capitalista estão impotentes e sem resposta de saída para a grave situação da humanidade e do planeta. 

               Reafirmamos que a crise é objetiva. A emancipação, não! Esta objetividade não é inelutável e nem natural. Ela é uma construção histórica. Como tal, pode ser criticada e superada. A emancipação é uma conquista consciente. Ou jamais será emancipação.

                O encontro se propôs a enfrentar o desafio de contribuir não só para uma compreensão mais ampla e profunda da nova natureza da crise, mas também de buscar abordar praticamente a tarefa da ruptura. 

                 Contamos com você para esse desafio!

                  PS: No final comemoramos o aniversário da Claudinha e da Carol

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *