Quem Somos

Oi, somos o Grupo Crítica Radical de Fortaleza, Ceará. Seja bem vindo ao nosso site. Aqui você vai acompanhar nossas iniciativas como encontros, estudos, seminários, manifestações, publicação de textos, vídeos, atividades no sítio Brotando a Emancipação, etc. Você pode também levantar questões, pedir informações, deixar sua opinião e sua crítica.

O grupo tem início no final do ano de 1973, quando Rosa Fonseca após sair da prisão, integra juntamente com Jorge Paiva, Maria Luiza Fontenele, Célia Zanetti e outros(as) militantes o grupo que contribuiu de forma significativa para a reorganização dos movimentos sociais em nosso estado e país e que vem atuando desde então.

Em 1975, o grupo teve um papel destacado na fundação do Movimento Feminino Pela Anistia que, a partir de 79, com o advento da Anistia, encerra suas atividades tendo várias de suas integrantes fundado a União das Mulheres Cearenses que em 2014 completa, portanto 35 anos de luta. Contribui também para a fundação da Associação dos Sociólogos do Estado do Ceará e da CUT, tendo Rosa Fonseca integrado a Direção Nacional e sido presidenta da CUT Estadual. A União das Mulheres Cearenses desde 1979 vem participando ativamente não só da luta contra a violência sobre as mulheres e a impunidade de assassinos, mandantes e agressores e na solidariedade às famílias das vítimas, mas também contra as causas dessa violência mobilizando homens e mulheres para a construção de uma nova relação social.\r\nAtuando fortemente no movimento dos professores, metalúrgicos e outras categorias profissionais, o grupo participou também da fundação do SINTECE e do SINDIUTE (Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação do Ceará) e da reestruturação do Sindicato dos Metalúrgicos tendo integrado suas direções por vários mandatos.No período em que atuou na política Maria Luíza, entre 1978 e 1994, foi deputada Estadual por dois mandatos, Prefeita de Fortaleza e Deputada Federal. Rosa foi vereadora de Fortaleza por um mandato (1992/96).

Até certo tempo o grupo se fundamentava no marxismo. A partir do início da década de 90, com a descobert a de um duplo Marx, vem desenvolvendo um processo de revolução teórica e prática tendo se constituído posteriormente como Grupo Crítica Radical. A partir daí o grupo vem realizando uma ruptura total com a política e as práticas de partidos e entidades que querem administrar a crise do sistema arbitrando perdas, propondo-se a contribuir para a construção de um novo movimento social numa perspectiva emancipatória.

Nesse sentido o grupo Crítica Radical tem organizado seminários, estudos, debates, lançamento de livros e outros eventos que trouxeram ao nosso estado vários(as) escritores(as) que vêm desenvolvendo a teoria crítica do valor/dissociação, como Robert Kurz, Anselm Jappe, Roswitha Scholz, Moishe Postone, Dieter Heidemer. Gérard Briche, entre outros.

Recentemente, realizou o lançamento do livro Dinheiro Sem Valor – Linhas Gerais para uma transformação da crítica da economia política (Antígona), de Robert Kurz bem como apoiou e participou significativamente do Seminário A CIDADE PARA QUEM? Crise estrutural do capital e perspectivas de superação, realizado de 07 a 10/05 por várias entidades que participam da Plenária Unificada dos Movimentos Sociais, juntamente com o Comitê Popular da Copa. Todas essas iniciativas vêm no sentido de contribuir para a organização de um novo movimento social, tendo em vista suplantar o moderno sistema patriarcal produtor de mercadorias com sua lógica destrutiva e construir a sociedade da emancipação humana.

Além disso, do ponto de vista prático, o grupo vem desenvolvendo várias atividades onde se destacam as campanhas pelo Não Voto, contra a violência, contra a criminalização dos movimentos sociais e pelo direito à memória e à verdade sobre torturas, mortes e desaparecimentos do período da Ditadura Militar, tendo participado de forma destacada na campanha pela liberdade do escritor italiano preso político Cesare Battisti. Atualmente, além de participar ativamente das lutas, buscando contribuir para que assumam uma perspectiva emancipatória, o grupo está empenhado na implementação de uma experiência prática inovadora para dar início à construção de uma sociedade pós-capitalista, no sítio Brotando a Emancipação, bem como propondo o IMPEACHMENT DA POLÍTICA e, em seu lugar, construir ESPAÇOS EMANCIPATÓRIOS.