Entries by Critica Radical

EMANCIPAÇÃO JÁ! Alternativa pra mudar o mundo, Brasil e Ceará! O MAIOR DESAFIO DO CRÍTICA!

Amigos e amigas do Programa Crítica Radical

 

Um alerta instiga a humanidade sobre o fim do sofrimento. É a maior declaração de amor à humanidade e ao planeta. Agora, bilhões de seres humanos já podem dar um basta na vida falsa e construir a vida autêntica.

É a primeira vez que um alerta dessa natureza irrompe na história da humanidade. O motivo é inusitado: um vírus que já atingiu perto de 10 milhões de pessoas (infectou mais de 9 milhões e eliminou quase 500 mil) escancara a vitória do capitalismo coincidindo com sua crise final, com sua morte. A materialização da prospecção que anunciou isso há muito tempo está aí ao vivo e a cores. Portanto, estamos frente a frente com uma comprovação irrefutável: a realidade encostou no pensamento da crítica radical. Com isso, a situação do mundo atual se torna candente para a emancipação humana e ambiental.

Neste momento histórico já podemos nos emancipar. Nada mais justifica ficarmos aprisionados(as) em ilusões e utopias, pois, o capitalismo transformou todas as forças produtivas em forças destrutivas.

Afinal, agora dá para compreender porque a humanidade fracassou ao caminhar inconscientemente aceitando ser submetida a uma utopia destrutiva e autodestrutiva como se revelou o moderno sistema fetichista patriarcal produtor de mercadorias na sua maturidade como sistema global atual.

Assim, encontramo-nos perante a oportunidade histórica de eliminarmos todos os desaforos a nós impostos pelo capitalismo como, por exemplo, trabalho, mercadoria, valor, dissociação sexual, dinheiro, fetichismo, estado, mercado, concorrência, política, democratura, dominação, exploração, sujeição, opressão, racismo, machismo, LGBTfobia, xenofobia, genocídio, ecocídio, corrupção, inutilidade do ser humano e terra inabitável.

Mas, para realizarmos essa fantástica proeza histórica de construirmos a emancipação não encontraremos descrição detalhada. Não teremos nenhum manual de instruções para traçarmos os nossos novos caminhos que nos levarão para a emancipação humana e ambiental.

Para isso uma condição incontornável se impõe: só poderemos traçar esses novos caminhos se formos capazes de conscientes e livres associarmo-nos com outros seres humanos para efetivarmos a alternativa ao capitalismo.

Nenhuma declaração teórica geral pode nos fornecer informações sobre a realização dessa façanha histórica. Apenas a experiência prática de uma nova relação social, dialeticamente dimensionada entre transcendência e imanência, pode nos possibilitar um processo no qual nós, como antissujeitos(as), poderemos construir concretamente a sociedade emancipada.

Essa tarefa prática não cabe na área de responsabilidade da teoria crítica radical do valor-dissociação. A mudança prática está fundamentada numa práxis emancipatória que nos possibilita ultrapassarmos o capitalismo com todas as suas expressões políticas como Bolsonaro, Trump, Erdogan, Xi Jinping e companhia.

Um único critério se coloca para todos(as) aqueles(as) que querem realizar hoje a maior conquista da humanidade e da natureza. Esse critério consiste em que nenhuma inversão da realidade se interponha mais entre os indivíduos sociais sensíveis e o mundo, como fez e faz até aqui, na história da humanidade, o fetichismo.

Essa inversão que nos aprisiona/aprisionava na mercadoria oculta/ocultava sua abstração na qual reside o fundamento do capitalismo, que é fazer de um real, dois, cinco, dez, um milhão e que, hoje, se depara com sua barreira histórica, ao eliminar a substância do capital que é o trabalho humano produtivo.

O rebentar dessa relação fetichista irracional só pode ser realmente a junção das vontades de nossos irmãos e irmãs irmanados(as) e organizados(as) num movimento transnacional emancipatório que não se apóia numa classe e movimentos constituídos a priori pelo próprio capitalismo, mas que seja integrado por indivíduos que através de sua experiência e com seus próprios julgamentos críticos não querem mais, não suportam mais e querem se livrar já do capitalismo.

Aqui reside o maior desafio do Crítica e de todos(as) aqueles(as) que desejam construir uma alternativa ao capitalismo: entrarmos no quarto proibido para descortinar um novo período histórico, contribuindo ousadamente para que coletivamente possamos conquistar a emancipação humana e ambiental.

Um abraço

Crítica Radical

Fortaleza, 24 de junho de 2020

 

UMA PERDA IRREPARÁVEL! FALECEU VALDO BARROS! VALDO, PRESENTE!

É com profundo pesar que registramos o falecimento do professor Valdo Barros. O companheiro Valdo participou conosco de muitas lutas e debates. Jovem, com 39 anos, era uma pessoa solidária, aberta, sensível, pesquisador, estudioso, preocupado com o destino da humanidade e do planeta. Na última vez que estivemos com ele estava preocupado como enfrentar essa situação. Manifestou o desejo de contribuir de forma destacada com a reflexão e a luta para a emancipação. Infelizmente é uma perda muito grande que nos atinge fortemente.

 Em sua homenagem suspendemos o Programa Especial que faríamos ontem na Rádio Crítica Radical. Não temos informações ainda sobre o sepultamento. Logo que tivermos, avisaremos.

Valdo, presente! Ontem, hoje e sempre!

O MAIOR DESAFIO DO CRÍTICA!

A realidade encostou no pensamento. A vitória do capitalismo coincidiu com a materialização da prospecção de sua fronteira histórica. A situação ficou candente para a emancipação ampla geral e irrestrita.Com isso se vislumbra melhor a imperiosa necessidade de traçarmos os novos caminhos de ultrapassagem do moderno sistema fetichista patriarcal produtor de mercadorias que transformou todas […]

PROGRAMA CRÍTICA RADICAL AO VIVO RETOMA SUAS ATIVIDADES – UMA OUTRA HISTÓRIA COMEÇA!

Um impasse se apoderou da sociedade atual. A extraordinária coincidência entre a vitória do capitalismo e sua crise final impõe a urgência de um projeto alternativo. Esse sistema que derrotou todos os seus obstáculos, inclusive revolucionários, se depara agora com sua fronteira histórica. Irrompe-se a brecha para uma alternativa ao capitalismo.

Sem enfrentar esse desafio as novas idéias conspirativas ficam quase paralisadas. As energias utópicas apresentam-se como já esgotadas. E a esperança se perde porque não se pensa e não se constrói a resposta emancipatória para ultrapassar o patriarcado capitalista.

A apresentação de uma proposta que enfrente e supere esses desafios deveria ser motivo de júbilo em toda a terra. Ainda mais agora que a vacina para derrotar o vírus está se aproximando. No entanto, a humanidade que não conseguiu até aqui refletir e realizar sua saída do moderno sistema fetichista patriarcal produtor de mercadorias, ainda não se volta para a oportunidade histórica de conquistar uma nova relação social, uma nova sociedade.

Evidentemente que não conquistaremos a emancipação humana e ambiental sem superarmos esse impasse. Sem apreciarmos crítica e radicalmente os resultados de nossas lutas e embates. Sem ampliar e elevar a bela luta contra o racismo e pela democracia transcendendo-a de sua imanência a essa seita louca e suicida na qual se transformou o capitalismo que Bolsonaro, Trump e Cia querem sustentar, o que teria como conseqüência a terra inabitável e a inutilidade do ser humano. Sem compreendermos que o capitalismo produziu não apenas mercadorias para os seres humanos, mas seres humanos para as mercadorias.  Sem rompermos com o invólucro que daí advém e nos mantém aprisionados(as) ao fetichismo. Sem superarmos a interpretação de que as categorias fundantes do capitalismo são naturais, eternas e transhistóricas. Sem negarmos a trivial metafísica do dinheiro. Sem historicizarmos o capitalismo aparentemente a-histórico. Sem percebermos que esse sistema após devastar o mundo passou a implementar seu próprio colapso, ou seja, a se auto-destruir, escancarando o seu limite interno (econômico) e externo (ecológico) a toda a humanidade. Sem nos dedicarmos a compreender que as revoluções tecnocientíficas, ao tornarem supérflua a força de trabalho, conduziram o desenvolvimento capitalista ao seu limite absoluto. Sem dimensionarmos que a história de todas as sociedades não se resume à história da luta de classes, mas é a história das relações fetichistas.

Em razão disso, o Crítica Radical entra agora num novo período. Dá um salto nos ensaios emancipatórios anteriores. Ousa enfrentar e realizar novas práticas que contribuam para a substituição do capitalismo estabelecendo novas dimensões para a relação entre teoria e prática emancipatórias. Ainda mais agora que os(as) críticos(as) radicais do valor-dissociação de todo o mundo conjugam seus esforços para o Seminário e Encontro Transnacionais Emancipatórios que, entre outras questões importantes, abordarão a construção de um movimento transnacional emancipatório. Preparemo-nos, portanto, para uma nova vida. Para uma outra história.

Amigos e amigas

Estes e demais elementos aqui esboçados estarão sendo retomados no Programa Crítica Radical que retorna na próxima segunda, às 16 horas às suas atividades. Queremos convocar a humanidade para uma caminhada consciente, condição incontornável, sine qua non, na construção de um projeto alternativo.

Não perca!

Um abraço!

PROGRAMA CRÍTICA RADICAL AO VIVO RETOMA SUAS ATIVIDADES

15/JUNHO/2020 – SEGUNDA – 16h –

FACEBOOK, YOUTUBE E INSTAGRAN DO CRÍTICA

RAIMUNDO FERREIRA, PRESENTE! ONTEM, HOJE E SEMPRE!

Há 4 anos atrás perdemos o nosso amigo-irmão Raimundo Ferreira, o Raimundo da Encaixe. De uma solidariedade a toda prova, foi nosso parceiro durante muitos anos na divulgação das nossas publicações às quais acompanhava com grande atenção, carinho e competência, opinando, fazendo sugestões e, em alguns momentos, arriscando-se, como na impressão da Cartilha do Dia […]

O DUPLO MARX E A ALTERNATIVA AO CAPITALISMO*

Ele teve muitas vidas, várias vezes delas foi despedido, carregou consigo uma dupla teoria, duas interpretações bem diferenciadas sobre crise do capitalismo, comentar sobre a história mundial tem que incluir o seu pensar, captou de maneira fora do habitual a lógica do capitalismo e se adiantou aos tempos, essa sua prospecção explica a origem da […]

O VÍRUS, O CAPITALISMO E A ALTERNATIVA

ALTERNATIVA PARA A TEORIA E A PRÁTICA DA EMANCIPAÇÃO HUMANA E AMBIENTAL O vírus produz caos. O capitalismo, catástrofe. Ambos provocam a tempestade perfeita para o colapso de tudo. Isto estimula, com o confinamento, a uma maior reflexão. Açula a reação. Sacode os reformistas. Mostra ao vivo e a cores as insuficiências do Estado e […]

AMIGOS E AMIGAS DO PROGRAMA CRÍTICA RADICAL

Conforme mensagem anterior, estávamos programando a participação dos professores Marildo Menegat, Carlos Toledo, Anselm Jappe e outros(as) convidados(as) do Encontro e Seminário Transnacionais. Além deles teríamos a continuidade com os professores Paulo Arantes, Gabriel Zacarias e Luis Guilherme. Na pauta também um especial no dia 05 de maio para superar Marx, data do seu nascimento. […]

APROPRIAÇÃO UNIVERSAL DE UMA TOTALIDADE DE FORÇAS PRODUTIVAS: CRITÉRIOS PARA A ULTRAPASSAGEM DO CAPITALISMO

Uma pessoa normal, socializada no capitalismo, vai ficar decepcionada quando constatar que Marx, para além da análise e crítica do modo de produção e de vida capitalista, não deixou qualquer descrição detalhada para a “construção do socialismo”, como ainda há pouco tempo se dizia na esquerda e nos países do capitalismo de Estado, nenhuma indicação […]