FASCINAÇÃO AINDA QUE TARDIA! Bradesco e a sociedade sem dinheiro!

Um humano muda o mundo – o humano sensível. Ele(a) não está cabendo mais no invólucro em que vive. Não quer ser mais sujeito mercantil. Arrisca a própria vida para salvar inúmeras outras vidas. A vida que dá vida a esse sujeito é um culto à morte que se evidencia na pandemia e seu caos, no capitalismo e seu colapso e Bolsonaro e sua catástrofe. Começa a compreender que o fetichismo do valor constitui a sua forma como sujeito moderno?

No nosso dia a dia, ao vivo e a cores, irrompeu essa melodia inusitada. Vem em sintonia com resistirei, resistirei*. Vem das profundezas da alma. Grita que a vida vale a pena.

Esse exemplo dignificante parte de enfermeiros(as), médicos(as) e demais funcionários(as) da saúde de todo o mundo. Mostra um desprendimento face ao deus-dinheiro. Sinalizam para o fim da vida falsa. Gestam a vida autêntica.

Sem dúvida que as cenas das crianças que cuidam das vidas, embaladas pela voz de Fascinação da Elis, são belas e emocionantes. Mas não conseguem ocultar que estão na contramão da lógica do Bradesco que as promove.

A peça publicitária vai contra a concorrência. O banco a vivifica. Uma agiganta a alma. O outro a apequena. Uma sinaliza que a busca pela vida não tem como base o dinheiro. O outro faz do dinheiro o seu meio de vida. Uma suscita uma pergunta que a humanidade se recusava a fazer: será que agimos conscientemente ao assegurar ao dinheiro a tarefa exclusiva de funcionamento da sociedade? O outro valoriza a interface que se ergueu, e que hoje não se sustenta mais, entre os humanos e o que produzimos – o dinheiro. A sensibilidade da AlmapBBDO e do Bradesco se choca com a realidade do colapso da totalidade das finanças que estão entrando em ruínas. Esta sociedade, Bradesco e AlmapBBDO, enquanto economia monetária com sua política de regulamentação, está com seus dias contados. O fundamento da valorização do dinheiro atingiu seu limite com a eliminação do trabalho e sua substituição com a revolução tecnocientífica. Com isso chega ao fim o moderno sistema fetichista patriarcal produtor de mercadorias.

Em muitas regiões da terra o dinheiro já não existe para a maioria das pessoas. Em muitas outras, avança a consciência teórica e prática para aboli-lo. Sua permanência ainda como forma de socialização e compulsão irrefreável para se obter mais dinheiro estão profundamente abaladas. Não serão refinamentos estéticos promovidos por seus especuladores que vão resolver essa contradição. É inegável que as cenas são belas. Mais belas são as(os) protagonistas que já têm novos horizontes para uma sociedade diferente. Mas uma belíssima fascinação é colocarmos em prática a sociedade sem dinheiro que vem vindo. Uma fascinação indescritível para embelezar a humanidade e o planeta!

 Crítica Radical

(Sobre a publicidade do Bradesco Saúde)

*Canção baseada na música espanhola _Resistiré , do Dúo Dinámico que se tornou, particularmente na Espanha, Hino de resistência ao Covid-19.

Versão portuguesa de VFernandes – https://www.youtube.com/watch?v=_cliyl-zOys

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *